Mostrando postagens com marcador Bichos. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Bichos. Mostrar todas as postagens

Você tem algum amigo/animal?

Você tem algum amigo animal Não sei você, mas eu adoro bicho!
Não consigo imaginar uma casa – minha! – sem que tenha algum animalzinho.
Cresci ao lado de vários – e não falo dos meus irmãos! rsrs Brincadeira! –, por isso é tão natural, na minha vida, que já fazem parte da família. Bem, quem tem, sabe como é, do que estou falando.

Já tivemos porco do mato (juro!), coelho, peixe, socó-boi (uma espécie de garça), periquito e papagaio (alguns), cachorros (sempre), gatos (muitos e sempre!) e até cobra! (juro²! Prometo uma foto, em outro momento). Obviamente, em tempos diferentes (fora os gatos. Minha mãe não se contenta com um ou dois, ela gosta de cinco ou seis! ¬¬), caso contrário, teríamos que sair de casa, pra dar lugar a eles!

Tínhamos uma gatinha… Zoinha (não vale zoar! rsrs) Independente, silenciosa, cheia de vontade… como todo gato é, mas era tão preciosa! Já conhecia nossas manias, sabia quando estávamos pra chegar em casa e nos esperava, na porta, todas as noites.

E outra característica marcante dela, era que sempre que eu estava triste e sozinha, no meu quarto, ela entrava. Devagar, parava em frente à minha cama e ficava me olhando, como se pensasse: senti que você não tá bem. Aí, como alguém que encontrou um ombro amigo pra chorar, eu desabafava! Sim, falava tudo pra gata!

Mas… não sei… acho que ela se cansava rapidinho dos meus problemas, sabe. Depois de um tempo, ela olhava para os lados, como se procurasse coisa melhor pra fazer, e, então, sem dizer nada (já tô querendo demais, né?) ou  como se não desse a mínima, virava e saía do quarto. Sim, me deixava falando sozinha e nem olhava pra trás!
Bem, um belo dia, ela não amanheceu mais com a gente. Não sei se, por conta própria ou se por livre e espontânea pressão de alguém, se é que me entende, não a vimos mais. Procuramos, claro, mas… nem sinal.

Só quero que, seja lá onde estiver, ela esteja sendo bem tratada, sabe.
Ela é uma gatinha cheia de vontades, criamos assim. E embora muitas pessoas gostam de gatos, não são todos que os tratam como um Zoinha membro da família, entende?


A legenda de sua foto, no orkut: Esta é Zoinha!! Peça desculpas quando pisar no rabo dela; peça licença quando quiser que ela saia e não se mova caso ela deite sobre você!!!!!!
Percebe, né?

Cinco motivos para adotar um animal

1. Não apenas cães e gatos provocam sensações positivas. Observar um peixe em um aquário pode ter efeitos semelhantes aos da hipnose, reduzindo a ansiedade em pacientes à espera de uma cirurgia, por exemplo. E melhor: aquários são obras vivas de decoração.
2. Tanto para adultos quanto para crianças, interagir com animais diminui a pressão arterial. “Essa relação acalma e também mobiliza a sair da inércia”, diz a psicóloga Denise Gimenez Ramos. Um estudo publicado no British Journal da Royal Society of Medicine sustenta que quem tem um bicho em casa reclama menos de pequenos problemas de saúde, por isso, é mais feliz.
3. Animais em geral também são bons aliados de adultos e crianças mais inibidos. “Para idosos, podem até ajudá-los a sair da depressão”, afirma Denise Gimenez Ramos. Com o peso desse argumento, recentemente, nos Estados Unidos, cães passaram a ser adotados em visitas hospitalares, com resultados visíveis na recuperação de pacientes.
4. Para a ciência, animais se integram tão facilmente em nossa vida porque possuem estruturas anatômicas idênticas às nossas. “Eles têm sensações, são inteligentes, têm memória e uma profunda sensibilidade de convívio com outras espécies e como ser humano”, analisa a médica veterinária Irvênia Prada.
5. Uma tese um pouco mais audaciosa sustenta até uma certa telepatia entre homens e animais. “O biólogo inglês Rupert Sheldrake, autor de Cães sabem quando seus donos estão chegando, diz que os cachorros se comunicam telepaticamente com os cuidadores humanos”, cita Irvênia Prada. Basta olhar fundo nos olhos deles para sentir essa interação mágica.

Comeu os próprios filhotes? Como assim?!?!

Estava na cozinha e minha sobrinha, olhando a caixa dos gatinhos recém nascidos, me perguntou:
__ Tia por que todo mundo tem nojo de pegar nos gatinhos quando eles nascem?
__ Porque os gatinhos estão sujos de sangue. __ eu respondi.
__ Então a gente tem que dar banho neles, né? __ ela continuou.
__ Não, a mãe é que faz isso. Ela lambe eles pra tirar a sujeira.
__ É isso que ela tá fazendo, né? __ ela apontou pra caixa.
Eu me aproximei e olhei. Ia concordar com o que ela tinha falado, mas achei algo estranho.
Foi então que eu percebi o que acontecia. Felizmente, minha sobrinha não.
Peguei-a pelo braço e fomos rápido até o quarto do meu irmão.
__ Corre até a cozinha! __ disse rápido.
__ O que foi?
__ A gata... tá comendo... __ quase nem consegui pronunciar. __ o filhote!

Embora diversas hipóteses já tenham sido levantadas para responder a esta pergunta, nenhuma delas tem comprovação científica.
Portanto, algumas possíveis causas para este comportamento que, por sinal, é bastante comum após o parto.
* Subnutrição da mãe ou carência de alguns nutrientes.
* Problema de saúde com um dos filhotes. Mesmo que seja apenas um da ninhada, a mãe também costuma comer os animais sadios. Ela age por impulso.
* Quando um dos filhotes apresenta alguma lesão de pele ou excesso de sangramento pelo cordão umbilical, a mãe lambe a lesão ou o sangue, por instinto, e acaba ingerindo pequenas partes do filhote e, por fim, o come inteiro.

Eu fiquei chocada!!!
Achei nojento demais. Não consegui parar de pensar nisso, não consegui comer...
Tinha que falar sobre o assunto, mesmo que fosse aqui. Mesmo que não precisasse pronunciar as palavras de novo - o que de fato, é difícil.
A idéia da mãe comer o próprio filho... Pode ser normal - no mundo animal! -, mas pra mim não.